23 de março de 2018

 Auschwitz e Birkenau campos de concentração  na Polónia. No portão tem a seguinte frase (Arbeit  Macht Frei )  quer dizer  o trabalho liberta.
Chegamos a Auschwitz vindos de Gdansk cidade do Âmbar para visitar pela segunda vez estes dois campos de concentração. Ao entrar-mos em Auschwitz o silencio é tão grande que nos parece  ouvir gritos dos prisioneiros e choros de crianças. Visitar Auschwitz é uma experiência única. Aqui ainda estão as cercas de arame farpado as torres de vigilância os pavilhões que serviam de dormitório e prisão. Estes pavilhões foram transformado em um museu, com varias exposições espalhadas pelos vários edifícios onde é contado e documentado com imagens, objetos e documentos originais todas as atrocidades ali cometidas, desde experiências com mulheres gravidas e crianças. Aqui podemos ver em varias vitrinas os objetos tirados aos prisioneiros como sapatos óculos, próteses, malas e cabelos dos prisioneiros. A ordem para a construção deste campo foi dada em 1940, os alemães expulsaram os seus habitantes que foram mandados para guetos, e destruíram a maioria das casas, só ficando as melhores para alojar os oficiais alemães e suas famílias. Para poderem alargar o campo que tinha  começado em uma pequena caserna abandonada na localidade de Oswiecim. Nesta zona existia um dos mais importantes entroncamentos ferroviários, muito conveniente para o transporte dos prisioneiros que começaram a chegar de toda a Europa a maioria dos Judeus eram convencidos de que estavam a ser deportados para se estabelecerem no leste da Europa. Aos quais lhes tinham vendido lotes de  terrenos, fazendas, lojas, e que tinham trabalho em fábricas. Os quilómetros percorridos até chegarem a esta localidade era feita em vagões de carga selados sem direito a qualquer alimentação. O objetivo deste campo durante anos foi servir como instrumento de genocídio, terror e extermínio e trabalhos forçados.

         Para este campo foram enviados prisioneiros de vários países como Polacos, Ciganos, Soviéticos, Checos, Jugoslavos, Franceses, Austríacos e Alemães. No inicio o campo abrangia 20 edifícios com a chegada de mais prisioneiros tiveram que alargar o campo e construir mais edifícios utilizando os prisioneiros para a sua construção. Em 1941 na aldeia de Brzezinka situada a três quilómetros começou a construção de um segundo campo com o nome de  Birkenau, onde podemos observar alguns barracões, as ruínas de quatro crematórios, as câmaras de gás, que em 1944 foram destruídas pelos Alemães antes da chegada do Exército Vermelho. Aqui podemos ver o lago para onde eram deitadas as  cinzas dos prisioneiros que eram cremados, o monumento aos prisioneiros que morreram neste campo, e também a linha ferroviária e um vagam onde eram transportados os prisioneiros em condições desumanas e ali eram descarregados os prisioneiros onde tinha lugar as separações dos recém chegados, os aptos depois de lhes tirarem todos os seus haveres, cortado o cabelo eram encaminhados para o campo de trabalho no alargamento do campo, na construção de casas e barracões e mais tarde nas fábricas de  armas e produtos químicos, onde muitos morreram de fome e da exaustão dos trabalhos forçados. Os inaptos como velhos, crianças e doentes eram mandados para as câmaras de gás.


     As pessoas que iam para as câmaras de gás estavam tranquilas porque lhes tinham ordenado que se despissem que iriam tomar banho. Depois de aglomerados neste local e encerrada a porta era despejado o gás Zyklon através dos chuveiros situados no teto, que em vez de sair agua saia gás as pessoas morriam em cerca de 15 a 20 minutos. Aos cadáveres extraia-se os dentes de ouro, cortavam o cabelo, retiravam anéis e brincos. Depois eram transportados para os fornos crematórios que funcionaram entre 1940 e 1943 e tinham a capacidade para cremar 350 corpos em 24 horas. Todos os objetos em ouro eram fundidos em barras de ouro. Com os cabelos faziam roupa e as cinzas eram utilizadas como adubos ou deitadas nos lagos. Hoje é difícil imaginar as cenas trágicas que aconteceram durante  anos em todos os campos de concentração.

Horário Verão 7,30 h ás 19 h Inverno 7,30 h ás 14 h. A visita não guiada e grátis mas tem que levantar o bilhete na bilheteira junto da entrada do primeiro campo a entrada e até ás 9 hora antes que comecem as visitas guiadas para o segundo campo não e necessário bilhete tem um autocarro grátis entre os dois campos. Se estiver alojado em Cracóvia e quiser visitar Auschwitz que fica a 1,30 hora aqui tem o horário do autocarro .Link. Se optar por fazer a visita guiada de Cracóvia aconselho a fazer a excursão pela civitatis. Recomendações no primeiro campo não pode entrar com mochilas, comida ou bebida temos que ser revistados, os objetos tem que ficar no depositário sendo levantados quando sair para a visita a Birkenau. Entre os dois campos temos um mini- bus grátis a paragem fica no jardim junto do portão da entrada. 

 

 Leve sempre o cartão europeu de saúde que permite ter cuidados de saúde gratuitos nos hospitais públicos dentro da União Europeia. Pode ser tirado diretamente na segurança social ou pela Internet no portal do cidadão :Cartão Europeu de saúde:  

Informações sobre o covid19 para entrar na Polonia .Clique no link . 




Se for de carro ou autocaravana tem vários parques de estacionamento custam em média 10€ 24 horas .Link 
Se preferir um parque de campismo .Link  

4 comentários:

  1. Mais um ano se passou desde o encerramento de Auschwitz onde se deu um dos maiores extermínios humanos de toda a historia. Vamos todos lutar para que não volte a acontecer uma desumanidade igual. A todos os sobreviventes deste horror e seus familiares um bem aja.

    ResponderEliminar
  2. Impossível comentar sem sentir um fio de gelo a percorrer toda a coluna vertebral. Brrrrr.Brrrrr, macabro, horrível, e quem conseguiu sobreviver viveu,certamente, o resto dos seus dias atormentado pelas memorias. Isto é passado, mas será que não volta nunca mais?

    ResponderEliminar
  3. Ola estavamos a pensar este ano ir de autocaravana a Aushwitz mas gostava que alguem que ja tivesse la ido me pudesse dar uma ajuda sobre os sitios a visitar no caminho , os sitios onde ficar para dormir enfim qualquer ajuda e boa prq há sempre o medo do desconhecido obrigada

    ResponderEliminar
  4. blogg fantasticamente bm escrito obrigada ... Quanto a este tema nem comento pois as palavras não existem só existe ... Como foi possível fazerem tal barbaridade ...

    ResponderEliminar