23 de março de 2018

 Auschwitz e Birkenau campos de concentração  na Polónia. No portão tem a seguinte frase (Arbeit  Macht Frei )  quer dizer  o trabalho liberta.
Chegamos a Auschwitz vindos de Gdansk cidade do Âmbar para visitar pela segunda vez estes dois campos de concentração. Ao entrar-mos em Auschwitz o silencio é tão grande que nos parece  ouvir gritos dos prisioneiros e choros de crianças. Visitar Auschwitz é uma experiência única. Aqui ainda estão as cercas de arame farpado as torres de vigilância os pavilhões que serviam de dormitório e prisão. Estes pavilhões foram transformado em um museu, com varias exposições espalhadas pelos vários edifícios onde é contado e documentado com imagens, objetos e documentos originais todas as atrocidades ali cometidas, desde experiências com mulheres gravidas e crianças. Aqui podemos ver em varias vitrinas os objetos tirados aos prisioneiros como sapatos óculos, próteses, malas e cabelos dos prisioneiros. A ordem para a construção deste campo foi dada em 1940, os alemães expulsaram os seus habitantes que foram mandados para guetos, e destruíram a maioria das casas, só ficando as melhores para alojar os oficiais alemães e suas famílias. Para poderem alargar o campo que tinha  começado em uma pequena caserna abandonada na localidade de Oswiecim. Nesta zona existia um dos mais importantes entroncamentos ferroviários, muito conveniente para o transporte dos prisioneiros que começaram a chegar de toda a Europa a maioria dos Judeus eram convencidos de que estavam a ser deportados para se estabelecerem no leste da Europa. Aos quais lhes tinham vendido lotes de  terrenos, fazendas, lojas, e que tinham trabalho em fábricas. Os quilómetros percorridos até chegarem a esta localidade era feita em vagões de carga selados sem direito a qualquer alimentação. O objetivo deste campo durante anos foi servir como instrumento de genocídio, terror e extermínio e trabalhos forçados.

         Para este campo foram enviados prisioneiros de vários países como Polacos, Ciganos, Soviéticos, Checos, Jugoslavos, Franceses, Austríacos e Alemães. No inicio o campo abrangia 20 edifícios com a chegada de mais prisioneiros tiveram que alargar o campo e construir mais edifícios utilizando os prisioneiros para a sua construção. Em 1941 na aldeia de Brzezinka situada a três quilómetros começou a construção de um segundo campo com o nome de  Birkenau, onde podemos observar alguns barracões, as ruínas de quatro crematórios, as câmaras de gás, que em 1944 foram destruídas pelos Alemães antes da chegada do Exército Vermelho. Aqui podemos ver o lago para onde eram deitadas as  cinzas dos prisioneiros que eram cremados, o monumento aos prisioneiros que morreram neste campo, e também a linha ferroviária e um vagam onde eram transportados os prisioneiros em condições desumanas e ali eram descarregados os prisioneiros onde tinha lugar as separações dos recém chegados, os aptos depois de lhes tirarem todos os seus haveres, cortado o cabelo eram encaminhados para o campo de trabalho no alargamento do campo, na construção de casas e barracões e mais tarde nas fábricas de  armas e produtos químicos, onde muitos morreram de fome e da exaustão dos trabalhos forçados. Os inaptos como velhos, crianças e doentes eram mandados para as câmaras de gás.


     As pessoas que iam para as câmaras de gás estavam tranquilas porque lhes tinham ordenado que se despissem que iriam tomar banho. Depois de aglomerados neste local e encerrada a porta era despejado o gás Zyklon através dos chuveiros situados no teto, que em vez de sair agua saia gás as pessoas morriam em cerca de 15 a 20 minutos. Aos cadáveres extraia-se os dentes de ouro, cortavam o cabelo, retiravam anéis e brincos. Depois eram transportados para os fornos crematórios que funcionaram entre 1940 e 1943 e tinham a capacidade para cremar 350 corpos em 24 horas. Todos os objetos em ouro eram fundidos em barras de ouro. Com os cabelos faziam roupa e as cinzas eram utilizadas como adubos ou deitadas nos lagos. Hoje é difícil imaginar as cenas trágicas que aconteceram durante  anos em todos os campos de concentração.

Horário Verão 7,30 h ás 19 h Inverno 7,30 h ás 14 h. A visita não guiada e grátis mas tem que levantar o bilhete na bilheteira junto da entrada do primeiro campo a entrada e até ás 9 hora antes que comecem as visitas guiadas para o segundo campo não e necessário bilhete tem um autocarro grátis entre os dois campos. Se estiver alojado em Cracóvia e quiser visitar Auschwitz que fica a 1,30 hora aqui tem o horário do autocarro .Link. Se optar por fazer a visita guiada de Cracóvia aconselho a fazer a excursão pela civitatis. Recomendações no primeiro campo não pode entrar com mochilas, comida ou bebida temos que ser revistados, os objetos tem que ficar no depositário sendo levantados quando sair para a visita a Birkenau. Entre os dois campos temos um mini- bus grátis a paragem fica no jardim junto do portão da entrada. 

 

 Leve sempre o cartão europeu de saúde que permite ter cuidados de saúde gratuitos nos hospitais públicos dentro da União Europeia. Pode ser tirado diretamente na segurança social ou pela Internet no portal do cidadão :Cartão Europeu de saúde:  

Informações sobre o covid19 para entrar na Polonia .Clique no link . 




Se for de carro ou autocaravana tem vários parques de estacionamento custam em média 10€ 24 horas .Link 
Se preferir um parque de campismo .Link  

20 de março de 2018

Cracóvia durante a II guerra mundial foi capital do governo Nazista. Em 1978 foi qualificada como património da Unesco, e em 2000 foi capital europeia da cultura. A cidade é banhada pelo rio Vístula que passa junto do  Castelo Wawel

Depois de visitarmos :Auschwitz: chegamos a Cracóvia e estacionamos a autocaravana no p
arque misto perto do centro da cidade pode ir a pé ao sai do parque vir a direita e siga a Rua Grzegórzecka em direção a Avenida Dietla para o centro. GPS: N 50 ° 3'30,2364 ”E 19 ° 57'16,5564” Para informações atualizadas clique no .Link. 

A nossa visita começou pelo imponente Castelo Wawel que foi construído no século XI onde habitaram três dinastias dos Reis Polacos. No Castelo há varias exposições, como a sala (Wawel perdida)


localizada nos sótãos do Palácio mostra como era a colina a 100 anos e os achados arqueológicos e objetos da idade média. A sala de estudos onde estão expostas varias pinturas e móveis do século XVI e belas tapeçarias. O tesouro da coroa e o arsenal onde estão expostas joias, armas, armaduras e a espada da coroação dos Reis Polacos. A magnifica Catedral fica dentro do Castelo tem mais de 850 anos, 

aqui os Reis e Rainhas e a nobreza assistiam aos atos religiosos. Foi nesta Catedral que o Papa João Paulo II nascido nesta cidade celebrou a sua primeira missa como sacerdote 1946. Nela repousam varias figuras importantes religiosas e politicas. O acesso a Catedral é grátis. A visita aos sinos, túmulos reais e ao museu custa 12 ZLT, para crianças, estudantes e reformados custa 7 ZLT. Horário de Segunda Feira a Sábado das 9h ás 17h Domingos das 12,30h ás 17h. Praça do Mercado (Rynek Glowny)                      

A praça do Mercado é a maior praça medieval da Europa Rynek Glówny construída no século XII. Aqui fica o Mercado dos tecidos Sekiennice onde se vende um pouco de tudo, este mercado teve o propósito de juntar os comerciantes num único local. No andar superior está instalado o Museu Nacional de Cracóvia onde estão exposições de esculturas e pinturas do século XIX Horário de Terça Feira a Sábado das 10 H ás 18 H aos Domingos até ás 16 H Preço 10 Zelot. Encerra ás Segundas Feiras. Nesta praça realizam-se vários eventos culturais e o famoso mercado de Natal. Nesta praça podemos beber ou comer alguma coisa nos vários restaurantes e esplanadas. A Torre da antiga Câmara Municipal com 70 metros de altura construída no século XIII fica nesta praça. A prisão da cidade já esteve instalada nos subterrâneos da torre. Atualmente esta lá instalado o museu Podziemia Rynku onde se conta a história medieval da cidade. Pode-se subir há Torre todos os dias das 10,30 H ás 18 H preço 8 Zlot. Basílica de Santa Maria    

                                                                 

A Basílica de Santa Maria fica na Praça do Mercado, construída no século XIV medindo 80 metros de altura, a sua fachada é em tijolos com duas Torres. O seu interior é magnifico composto por varias capelas, o seu teto estrelado é deslumbrante, o altar é maravilhoso talhado em madeira e composto por variadas figuras religiosas esculpidas durante anos. Durante a missa não são permitidas visitas. Na Torre mais alta existe um mecanismo que de hora a hora sai uma imagem de um homem a tocar uma trombeta em homenagem ao musico que alertou a cidade da invasão Mongol no século XIII. 

Para subir a Torre temos que subir 239 degraus é paga. A entrada na Basílica é paga para tirar fotos é pago a parte. Horário de Segunda Feira a Sábado das 11,30 horas ás 18 horas Domingos e feriados das 14 horas ás 18 horas, preço Geral 10 ZT 65 anos 8 ZT estudantes e crianças 5 ZT a visita a torre Geral 15 ZT dos 7 aos 18 anos 10 ZT crianças com menos de 7 anos não podem subir a torre. Informações atualizadas. Basílica de Santa Maria .  

                                                       

  A muralha defensiva tem um fragmento de 200 metros de muralha onde podemos subir e visitar uma exposição sobre as antigas fortificações. A Porta de São Florião a Torre dos Ebanistas e a Torre dos Carpinteiros situam-se nesta muralha. Horário de Abril a Outubro todos os dias das 10,30 H ás 18 H Preço 8 Zlot estudantes 6 Zelot.            Dragão expelindo fogo 

 Não deixem de visitar a caverna do Dragão só esta aberta nos meses de Verão. Horário de Maio a Outubro das 10 H ás 17 H Preço 3 Zlot. Defronte da caverna esta uma estátua do Dragão que solta fogo pela boca de 5 em 5 minutos. A lenda do Dragão conta que um Dragão que vivia numa caverna destruía as casas dos habitantes daquele lugar e comia os seus filhos pequenos O rei dessa época resolveu este problema mandando preparar um cordeiro cheio de enxofre e mandou-o colocar na entrada da caverna. O Dragão esfomeado comeu o carneiro e ficou com sede e foi beber água ao rio bebeu tanta água que rebentou. Fabrica de Oskar Schindler   

Oskar Schindler foi um homem de negócios recrutado pelos alemães como informador, assim podia ter alguns privilégios. Como dono da fabrica de panelas conhecida como(Deutsche Emaillewaren) assim podia contratar os trabalhadores dos campos de trabalhos forçados, e assim salvou algumas centenas de Judeus do extermínio nas câmaras de gás. A fábrica começou a deixar de ser rentável e aceitou fabricar cápsulas de projeteis para os alemães. Mas deu ordem aos seus trabalhadores para que parte dessas cápsulas fossem fabricadas com defeito e assim mais de metade não funcionaram. Em 1941 foi criado o gueto de Cracóvia onde mais de 15 mil Judeus foram abrigados a viver em apartamentos com mais 4 ou 5 famílias. E foram obrigados a construir um muro em volta do gueto com 4 passagens onde eram controlados só podiam sair para trabalhar. Mas em 1944 o gueto foi destruído e as pessoas foram obrigadas a seguir rumo aos campos de trabalho forçados. A fabrica é hoje um Museu com exposições permanentes recordando os horrores vividos durante a ocupação nazi entre 1939 e 1945. As maquinas onde trabalharam centenas de judeus, vários objetos produzidos na época. As instalações estão muito bem preservadas como o escritório original. Endereço Lipowa 4. Preços e horários :clique aquiVisitem a igreja do Papa João Paulo II que fica do outro lado do rio em frente ao castelo. Clique aqui: Visitas guiadas grátis e algumas pagas  


Cracóvia é muito acessível para visitar .Auschwitzque fica a 75 km tem o autocarro que demora 1,30 h informações .Link. 
As Minas de Sal ficam a 16 km de Cracóvia em Wieliczka informações .Minas de Sal. 

 Leve sempre o cartão europeu de saúde que permite ter cuidados de saúde gratuitos nos hospitais públicos dentro da União Europeia. Pode ser tirado diretamente na segurança social ou pela Internet no portal do cidadão :Cartão Europeu de saúde:  

Informações sobre o covid19 para entrar na Polonia .Clique no link .

Se vai viajar de avião aqui tem informações dos aeroportos para onde pode voar.

 Transfere do aeroporto de autocarro para .Cracóvia. 

Transfere do aeroporto de comboio .Cracóvia







19 de março de 2018

Minas de sal em Wieliczka na Polónia é uma das atracões mais visitada da Polónia e são Património da Humanidade. As minas ficam a 16 km de Cracóvia.                                                      

Depois de visitar-mos :Cracóvia: seguimos até Wieliczka para visitar-mos as minas de sal.
O bilhete pode ser tirado na hora na bilheteira ou pela Internet preço Adultos 89PLN crianças a partir dos 4 anos e estudantes 69 PLN. Duração da visita 2,30h. Horário de 1 de Abril até 30 de Outubro das 7,30h ás 19,30h de 2 de Novembro até 31 de Março das 8 h ás 17h.
Não há guia em português mas á duas visitas por dia em Espanhol.  
Também pode tirar os bilhetes pela Internet.
Existem outras visitas restritas a grupos pequenos como a rota dos mineiros e a dos peregrinos. Algumas partes da mina é visitável por deficientes em cadeira de rodas e pessoas com pouca mobilidade podendo descer e subir de elevador. Para tirar fotos temos que pagar 10 zlt e colocar um autocolante que nos é dado. Estas minas tem mais de 700 anos os seus túneis medem mais de 300 km e a sua profundidade é de 330 m e 800 degraus a primeira descida tem 300 degraus em madeira os restantes vão sendo intervalados com áreas planas e túneis sustentados por impressionantes estruturas de madeira. 

O inicio da visita conta a vida dos mineiros e como eram usadas as ferramentas e maquinas que usavam na extração do sal que era transportado por cavalos, até serem introduzidos os pequenos comboios com vagões Os cavalos quando foram trazidos para a luz do dia morriam porque sempre viveram nas profundezas das minas. A exploração comercial do sal terminou em 1996. Para esta visita recomendo calçado confortável e que não escorregue e um agasalho porque a temperatura é baixa dentro da mina. Para quem tenha claustrofobia não vai ter problemas os túneis são muito largos e bem arejados e com muita luz. Ao percorrermos os túneis vamos apreciando as varias estátuas esculpidas na pedra de sal pelos mineiros e as ferramentas usadas na extração do sal. Até chegarmos a maravilhosa igreja de Santa Conegunda.

com um magnifico altar com estátuas religiosas esculpidas na pedra de sal e o maravilhosos candeeiros que parecem de cristal. A igreja esta construída a uma profundidade 110 m mede 55 m de de comprimento, 18 m de largura e 13 de altura. No lago podemos ouvir musica de Chopin e um show de luzes refletindo na agua do lago subterrâneo. No final da visita podemos comprar sal e varias recordações ou ir ao restaurante. Também existe um SPA onde pode fazer vários tipos de tratamentos estes serviços só com marcação. Nas galerias realizam-se concertos espetáculos e casamentos. É uma visita fantástica e surreal. 
  
  

Os mineiros que aqui trabalhavam sempre foram protegidos pelo Rei tendo medico gratuito e o apoio para a suas reformas. Porque os lucros da venda do sal serviam para a construção do castelo em Cracóvia. Pode 
ficar alojado em Cracóvia e fazer a viagem de comboio que sai da estação principal de 30 minutos em 30 minutos e em 25 minutos chega a estação Wieliczka Rynek Kopalnia e em 5 minutos a pé esta na porta da mina. O bilhete custa 3,50 zl. Ou pode ir de autocarro numero 304 que sai da rua Ogrodowa junto da estação do comboio o bilhete é tirado dentro do autocarro numa maquina custa 4zl e leva-o até a porta da mina. 

Se gosta de fotografia veja aqui a reportagem fotográfica da visita as Minas de Sal .Clique aqui .  

Leve sempre o cartão europeu de saúde que permite ter cuidados de saúde gratuitos nos hospitais públicos dentro da União Europeia. Pode ser tirado diretamente na segurança social ou pela Internet no portal do cidadão :Cartão Europeu de saúde: 

Transfere de comboio do aeroporto de Cracóvia .Link. 

Parque para autocaravanas Morada
 Edwarda Dembowskiego 22. Em cima da relva pago com
WC se chegar depois das 19 h pode estacionar e pagar de manhã 7,50€. GPS: 49 ° 59 '8 " E 20 ° 3 '12 " Do estacionamento são 5 minutos até a porta da mina.